4 de fev de 2009

Projeto Hoje é Dia de Poesia - 4/2

Olá Amigos

Hoje o poema escolhido é o "Versos Escritos N'Água" de Manoel Bandeira, em homenagem a minha amiga Tatiane Martins do blog "Mulher é desdobrável. Eu sou." . O Manoel Bandeira tinha uma frase que eu adoro, que diz o seguinte "Todo mundo deveria ter um poeta predileto e dizer isso a todo mundo". Demais.

Manuel Carneiro de Souza Bandeira Filho ou Manuel Bandeira, poeta e ensaísta brasileiro que nasceu em Recife, Pernambuco, era uma cara de bem com a vida, que amava as mulheres e os prazeres da vida. Sua prosa conserva a variedade criadora do parnasianismo e está marcada pela paixão de viver, expressada em forma lírica e intimista.

Esse poema esta publicado no livro "ESTRELA DA VIDA INTEIRA - POESIAS REUNIDAS" (7a. edição - 1979 - Livraria José Olympio Editora). Algumas obras estão com datas inteiras; outras consta apenas o ano, a maioria, nada. Manuel Bandeira não era uma galinha de carimbar ovos, diria Mário Quintana.

O livro A Cinza das Horas, título bastante significativo de sua primeira fase como poeta, colocado sob o signo da morte e do desalento e de nítida influência parnasiano-simbolista.
Entre 1916 e 1920, enquanto lutava contra a tuberculose, perde a mãe, a irmã e o pai, passando a viver solitariamente, apesar dos amigos e das reuniões na Academia Brasileira de Letras, para a qual foi eleito em 1940. Devido a todas essas desilusões, Manuel Bandeira tinha todos os motivos do mundo para ser um sujeito mal-humorado. Não era. Ele sempre teve um sorriso simpático e, apesar da miopia e de ser "dentuço", adorava "ser fotografado, traduzido, musicado...". Apesar de ser um homem apaixonado por mulheres, nunca se casou, ele dizia que "perdeu a vez".

Mais uma vez vamos levar essa maravilha para nossos filhos, amigos, alunos e todos que gostam do que é belo que é a poesia.

Poesia é vida, luz e paixão.
Poesia é dor, sofrimento e solidão.
Poesia é tudo, nada e imensidão.
Poesia é sonho, realidade e dedicação.
Poesia é viver, morrer e reencarnação.
Poesia é...

Abraços

Equipe NTE Itaperuna

Um comentário:

Tati Martins disse...

Robson! Tenho de lhe dizer a verdade: tremi na hora em que li sua postagem. Vc me homenageou com o poeta cuja poesia me introduziu nesse mundo maravilhoso de descobertas. Foi lendo-o que descobri as primeiras entrelinhas de que tenho lembrança em minha vida e foi por ele que chorei tremendamente quando não pude transcrever em meu livro nenhum de seus poemas por causa dos direitos autorais.
Estou sem palavras... Simplesmente OBRIGADA pela maravilhosa lembrança!
Beijinhos.