22 de ago de 2012

Para onde caminha a humanidade? A Educação conseguirá acompanhá-la?


Ninguém sabe, muito menos eu, como será o mundo daqui a meros cinco anos. Porém, algumas coisas nós podemos prever para a próxima década com certa razoabilidade.

No universo da Educação, prever acontecimentos futuros é muito importante, ainda que raramente alguém se preocupe com isso, pois nessa área caminha-se sempre muito lentamente e algumas mudanças ocorrem no intervalo de duas ou mais gerações (quando ocorrem!). Coisas que para alguns gestores públicos, gestores escolares e professores soam hoje como novidade e causam sérias dificuldades de implantação, são, na verdade, velharias que já estão por aí há uma ou duas décadas, como os computadores, a internet e as TDIC de forma geral.

Precisamos ter alguma ideia do que espera por nossos alunos no futuro para que possamos começar desde já a construir teorias e práticas que serão fundamentais daqui há uma ou duas décadas. Não parece razoável que estejamos hoje lutando ainda para tentar salvar paradigmas que já estão putrefatos e modelos que são sabidamente fracassados. Se tivermos que salvar alguma coisa, então que sejam os nossos filhos e netos.

Em alguns casos não é difícil fazer previsões. Por exemplo, é óbvio que não retrocederemos. Somente essa “previsão” básica já deveria nos bastar para que deixássemos de lado atitudes e medidas retrógradas que têm como propósito apenas o retrocesso. Só para ilustrar um exemplo claro disso na seara da Educação, reflitamos sobre a perseguição insana aos “telefones celulares”.

Ora, telefones celulares sequer existem mais! O que se tem hoje em dia são dispositivos móveis multimidiáticos e interconectados em rede que, além das 1001 utilidades que já possuem, e que todos os dias são expandidas, também servem como telefones!


Desde que o bisavô desses aparelhos surgiu, na época com a função única de ser um telefone móvel, mês após mês só assistimos a um desenvolvimento exponencial de funcionalidades cada vez mais úteis. É fácil antever que daqui a cinco anos esses aparelhos terão atingido uma funcionalidade tal que possam substituir quase todos os aparelhos que usamos atualmente para comunicação, entretenimento, educação e negócios, por exemplo.

Em um único aparelhinho desses já é possível realizar tarefas que vão da leitura de um livro, a audiência de um filme, ou da distração de um videogame até transações bancárias complexas. Daqui a uma década esse tipo de dispositivo terá expandido suas funcionalidades tanto para mais coisas banais, como controlar eletrodomésticos, quanto para outras mais sofisticadas, como gerenciar seu computador, secretariar seu dia a dia ou dirigir seu carro.
Se você é jovem provavelmente não faz idéia de como foi
revolucionário o primeiro telefone celular. Olhe bem o "tijolão da foto"! Faz tão pouco tempo!


Então reflita comigo: como nossos filhos vão lidar com isso daqui a dez anos se a escola onde eles estudam agora quer banir os mobiles de parte importante de suas vidas (sim, a escola é parte importante da vida de nossos filhos!) sob o pretexto de que eles “atrapalham a educação”? De fato, eles atrapalham mesmo a Educação que temos hoje nas escolas, e isso é uma grande e inegável verdade, porém, também é uma grande vitória! Atrapalhar um sistema educacional falido e decadente é um ato de heroísmo entremeio a uma batalha épica entre o novo que está brotando e o ultrapassado que está definhando.
Nossos alunos não deveriam carregar mochilas imensas, cheias de livros e cadernos que cabem tranquilamente em um smartphone ou num mini tablet. Eles não precisam mais carregar agendas, relógios, calculadoras, dicionários ou mesmo lápis. Tudo isso já pode ser “embutido” nos aparelhos atuais que, ainda que nos pareçam modernos, daqui a uma década se parecerão com o velho telefone celular “do tipo tijolão”, aquele que tínhamos a justos dez anos atrás e que só servia para informar que não havia sinal analógico disponível na área onde estávamos. Você se lembra disso? Já éramos modernos naquele tempo, não?

Nossos alunos não precisam de um professor de história que saiba de cor datas e nomes de personagens históricos e que ache o máximo da didática contemporânea copiar textos na lousa para depois formular questões de memorização. Esse professor é absolutamente dispensável, não serve mais. É mais barato para a sociedade distribuir aos alunos tablets que podem transportar toda essa informação em pouco espaço e com pronta disponibilidade (e que vai para casa com o aluno!) do que pagar um cérebro tosco para armazenar apenas uma parte disso tudo e, ainda assim, com pouca disponibilidade e quase nenhuma mobilidade.

O mesmo vale para os professores de qualquer outra disciplina, com exceção justa e devida aos professores alfabetizadores, que têm ainda a grande tarefa de levar aos pequenos as primeiras letras. Mas, mesmo esses já podem e devem contar com recursos menos miseráveis do que uma lousa com giz e apagador, uma apostila aleijada e estática e um caderno amarelado que se tornará lixo no final do ano. Os pequenos podem aprender a ler ouvindo e lendo simultaneamente as palavras, as estórias, a voz gravada do seu próprio professor. Podem aprender a escrever com um corretor ortográfico (e em breve um corretor caligráfico!) que lhes aponte em tempo real onde estão errando ou acertando. Eles podem fazer coisas incríveis com esses “brinquedinhos inteligentes” que queremos (mas não podemos) proibir que usem.

Isso não quer dizer que não precisaremos de professores daqui a dez ou vinte anos (talvez para sempre!), mas sim que já podemos dispensar muitos dos que temos agora, pois nem mesmo nesse tempo do aqui e agora eles são imprescindíveis. Isso quer dizer que o professor do futuro terá que saber o que ensinar, como ensinar e para quê ensinar: coisas que poucos professores “copistas e enciclopedistas” sabem responder hoje em dia.

Tudo isso não requer apenas “inovação” na área de Educação. Isso tudo exige uma “desconstrução” do que ainda teimamos em chamar de Educação, mas que na verdade não passa de um grande desfavor prestado à próxima geração. A escola precisa ser reinventada, com uma nova concepção de currículo, novos paradigmas metodológicos, uma nova didática; uma nova estrutura organizacional e logística que derrube suas paredes, flexibilize horários e atividades pedagógicas, individualize o ensino e extinga dele, de uma vez por todas, seu caráter fabril, autoritário e opressor. Isso não será o resultado do trabalho solitário de um único, ou mesmo de vários, professores. Isso é um trabalho conjunto de toda a sociedade.

Há muito mais para ser pensado, criado e destruído do que nossa capacidade de compreender as mudanças em nosso próprio entorno. Já acabou a era dos gênios solitários, das teorias de um profeta só. Estamos na era do conhecimento construído socialmente, fruto de uma inteligência que extrapola nossos cérebros individuais. Estamos na era da mobilidade, das redes, da construção coletiva. E é sob essa ótica que precisamos começar a enxergar uma nova escola.

Nossa geração é um tanto covarde, submissa, conformista, consumista, apática e servil. Fomos educados, nesse mesmo modelo de escola que ainda temos, para sermos assim: “bundões”. Mas, quem sabe consigamos salvar as próximas gerações (temos que acreditar que podemos!) e, talvez, em um futuro distante, arqueólogos descubram em nós algum valor que nós mesmos não somos capazes de acreditar que possuímos.
Sobre o autor: José Carlos Antonio, @profjc , físico, professor, autor de material didático de Física para o Ensino Médio e cursinhos, autor de material didático de Matemática para o Ensino Fundamental, autor de material didático para formação de professores (EAD), formador do Cenpec e do Educarede, consultor de EAD e TI, trabalha com o uso pedagógico das TICs há cerca de duas décadas e participou de “n” projetos nessa área ao longo desses anos. Twitter: @profjc ; Facebook: ProfiJC ; Blog: http://professordigital.wordpress.com ; Email: profjc@gmail.com

3 comentários:

Marli Fiorentin disse...

Oi Robson e JC!

Como sempre os textos do JC são excelentes. Essa visão ampla da realidade é própria de quem enxerga além do seu tempo. E como diz o JC, a nova escola precisa entrar nessa era da aprendizagem colaborativa. A escola é o reflexo da sociedade e é dessa forma que as pessoas vivem agora, em rede. Parabéns pelo texto. Não poderia ser escolhido melhor autor para abrir o projeto. Penso que o grande desafio dos educadores é conseguir fazer com que os seus educandos , em meio a tanta informação, não se perca na superficialidade e consigam refletir e construir conhecimento significativo. Um abração!

José Carlos Antonio disse...

Marli, estou aguardando ansioso o seu texto. Também adoro o seu trabalho. Robson, publique logo!
Abraço!

Marli Fiorentin disse...

JC, eu ainda não escrevi. Com a doença e morte de minha mãe fiquei sem palavras. Logo envio! Abraço!