4 de set de 2007

Educador Inovador

O século XXI é marcado por desafios, mudanças e contradições. De um lado, temos um Brasil bem sucedido, que ocupa a 14ª posição em Produto Interno Bruto (PIB), indicador que coloca o país entre os mais ricos em desenvolvimento econômico, e de outro, o mesmo Brasil ocupando a 69ª posição no índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

Investir na educação e priorizar oportunidades educativas tem sido a resposta para vencermos esses desafios e alavancar mudanças. Há muitas décadas é dito que o investimento do país deve ser na educação.

Mas, não falamos aqui de qualquer educação, falamos de uma educação de qualidade que atenda aos desafios desse novo século, que promova uma verdadeira educação para o desenvolvimento humano e que priorize como apontado no relatório da UNESCO, o desenvolvimento dos Quatro Pilares da Educação - aprender a ser, a conviver, a fazer e a conhecer, somente dessa maneira o aluno estará preparado para atuar como sujeito integrante, pois somente assim, a educação estará formando cidadãos preparados para interagirem e contribuírem nas transformações desse novo século.

Cada vez mais é reconhecida a importância do educador na formação e no processo de aprendizagem do aluno. Assim como mudou a visão da educação, passando a valorizar a formação mais integral do aluno, o papel do educador também mudou. Esse novo educador participa ativamente da aprendizagem do aluno, como mediador e motivador dos processos de aprendizagem.

O educador desse novo século é empreendedor, flexível e está aberto a novas mudanças pedagógicas, para que de fato, consiga promover uma educação voltada para o desenvolvimento humano.

Acredita que o foco da educação deve estar voltado para a aprendizagem do aluno e não na transmissão de conteúdos, dessa maneira, flexibiliza tempos e espaços em sala de aula para adoção de projetos que priorizem o desenvolvimento de competências (fortalecimento da auto-estima/habilidades de comunicação/ raciocínio lógico, resolução de problemas, elaboração metas, entre outras.)

Esse novo educador utiliza a tecnologia como um fator motivador da aprendizagem do aluno, utilizando-a como um meio propulsor para mudanças e não como um fim em si mesmo. Os resultados focam não apenas o uso da tecnologia (saber efetivamente usar), mas principalmente o desenvolvimento de competências.

A tecnologia é adotada para facilitar e beneficiar (ter novas aprendizagens) sua vida e a vida dos seus alunos. O educador não apenas inova ou dinamiza suas aulas, mas sim usa e incentiva seus alunos a usarem para aprendizagem, comunicação e compartilhamento de práticas, visando uma aprendizagem mais autêntica, significativa e prazerosa para todos.

Desenvolve ainda um trabalho em parceria com seus pares, procurando fazer com que as diferentes áreas de conhecimento sejam significativas para a vida dos alunos, ao invés, de trabalhar conteúdos prontos e que não atendam às necessidades e expectativas dos seus alunos.

Esse novo educador dá feedbacks constantes ao aluno sobre o seu desenvolvimento, orientando-o em todo o percurso. Avaliando o aluno pelas competências que desenvolveu no seu percurso de aprendizagem.


Referências Bibliográficas

Instituto Ayrton Senna/UNESCO. Educação para o desenvolvimento humano; por Simone André e Antônio Carlos Gomes da Costa. São Paulo: Instituto Ayrton Senna/Saraiva, 2003.

Instituto Ayrton Senna. Sua Escola a 2000 por Hora; por Eduardo O. C. Chaves. São Paulo: Instituto Ayrton Senna/Saraiva, 2004.

Chaves, O. C. Eduardo. Concepção de Aprendizagem e Projetos de Aprendizagem
na Visão do Programa Sua Escola a 2000 por Hora. http://www.escola2000.org.br/pesquise/texto/textos_art.aspx?id=74
Acessado em 01/08/07

Chaves, O. C. Eduardo. O que é "Uso Inovador da Informática na Educação"?
http://www.escola2000.org.br/pesquise/texto/textos_art.aspx?id=6
Acessado em 01/08/07

Por:Kátia Ramos

Fonte: http://www.escola2000.org.br/pesquise/texto/textos_art.aspx?id=101

Um comentário:

Armadno Gil disse...

Quero parabenizar pelo artigo e acrescentar que o verdadeiro significado da aprendizagem está na afinidade com o conhecimento e o seu aluno.
Torna-se mais fácil e mais estimulante quando esse aluno alavanca as suas ideias e as tornam criativas, inovadoras e parceiras para novas propostas de querer saber mais.